Bocage


Bocage foi o grande mestre da expressividade poética, construindo uma obra onde coloca a fluência e clareza da prosa ao serviço da poesia, aliada a todo o seu potencial de sugestão e sugestividade do verso. Poeta de grandes explosões e convulsões, consegue como nenhum outro a perfeita ressonância das mesmas num harmonioso equilíbrio de escrita, resultando em expressões dramaticamente apaixonadas e um espírito sempre no limite da emoção.  

"Vai sempre avante a paixão,
Buscando seu doce fim;
Os amantes são assim:
Todos fogem à razão."


"Morrer é pouco, é fácil; mas ter vida
Delirando de amor, sem fruto ardendo,
É padecer mil mortes, mil infernos."


Dinheiro:"Faço a paz, sustento a guerra, 
Agrado a doutos e a rudes,
Gero vícios e virtudes,
Torço as leis, domino a Terra."


"Mas, ah tirano Amor! Ou cedo ou tarde
É forçoso aos mortais sofrer teu jugo;
Amor, tu és um mal que fere a todos:
Longa experiência contra ti não vale,
Ou Virtude, ou Razão, só vale a Morte."

Inveja:"Tu, de quantos dragões o Inferno encerra, 
És o pior, Inveja pestilente!
Morde a virtude, ao mérito faz guerra
Teu detestável, teu maligno dente."


Paixão:"Basta, cega paixão, loucos amores; 
Esqueçam-se os prazeres de algum dia,
Tão belos, tão duráveis como as flores."


Política:"Política feroz, que sempre armada 
De bárbaros pretextos,
À morte horrenda em lúgubre teatro
Dás vítimas sem conto,
Apoucas e destróis a Humanidade,
Afectando mantê-la."